domingo, 3 de maio de 2015

Ser professor

   Ser professor!

   Hoje ser Professor é correr risco.
   Risco de formar seres reflexivos, pensantes e críticos, tudo o que  país não quer, mas nós precisamos querer e fazer, pois eles podem ser a melhora do futuro do Brasil.
   Ofício difícil  nosso, mas 10 anos ao lado das crianças pequenas tenho recebido muitos retornos e espero continuar recebendo muitos.
   Vim para fazer a diferença e não para ser mais um, não aceito o conformismo mesmo e estou sempre em busca do novo acreditando na mudança.

Talita Zornoff.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Dia das mães, que tal um novo olhar para essa comemoração?

Olá pessoal!
Convido-os à uma reflexão aprofundada desta data considerada tão importante.
Quebra de paradigmas.

   O dia das mães está chegando, as escolas sempre se preparam para este momento, organizando um espaço acolhedor para as mães, preparam as crianças para uma linda apresentação, fazem lindas lembrancinhas.... mas será que as crianças querem fazer tudo isso???
   Estamos no século XXI, as famílias perfeitas de décadas  atrás não  é a realidade do mundo que vivemos, hoje as famílias se constituem das mais diversas formas, (Livro: "A FAMÍLIA DO MUNDINHO") uma história a ser trabalhada com as crianças que retrata perfeitamente essas famílias diversificadas.
   Quantas crianças não tem a figura materna, pois moram em abrigos, os avós que criam, a mãe abandona e o pai cria, enfim... Será  que isso também não  é exclusão?
   Para muitos que podem compartilhar deste momento talvez jamais tenham pensado nisso não  é???? Mas a criança que não tem essa figura com certeza ficou marcada por todas as festas que teve que dançar e ensair exaustivamente para fazer bonito no palco e não ter a "mamãe" para prestigiá-la.
   A escola fala tanto no trabalho com a família... será que essa festa não  poderia ser para eles??? Assim todas as crianças teriam a garantia de um representante.
   Outro ponto importante a ser ressaltado são as famosas lembrancinhas.... são lindas, perfeitas e úteis, mas quem se deu o trabalho de fazer??? O professor?
   Mais uma visão errônea, as crianças devem ter a participação na construção deste presente, afinal será entregue por ela para um alguém especial, nada mais coerente do que ter as mãos dela nesta confecção. 
   Chega de perfeccionismo, as crianças são criativas, geniais mas infelizmente poldadas a todo instante, o belo está  nos olhos do adulto que julga ser bonito ou feio por padrões impostos pela sociedade que vivemos, pois já está enraizado esta cultura, mas para  a criança tudo o que ela constrói é lindo, é encantador, seus olhos brilham quando dizem... "Foi eu que fiz". 
   Segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais, fomenta que a criança é um ser pensante, cheia de criatividade... e muito além do ato de cuidar, existe a necessidade de educar. A educação infantil tem como finalidade desenvolver a criança integralmente em seus aspectos físicos, psicológicos, intelectual e social.

    Vamos refletir, é apenas um convite! É preciso começar a fazer  a diferença.

Talita Zornoff.

sábado, 25 de abril de 2015

Repensando os estereótipos na Educação Infantil

Olá pessoal!

    Hoje estou aqui para desabafar um pouco da minha angústia quanto educadora.
   Atualmente trabalho em um  município de São Paulo, tenho vivido muitas angústias, pois acredito que a escola pública pode oferecer uma educação de qualidade sim, e isso não precisa começar pelo dinheiro e sim pelas atitudes, reflexões e pela quebra de paradigmas e estereotipias. Nossa crianças merecem vivenciar novas experiências diariamente, merecem um espaço pensado para ela com toda segurança e com condições de ser explorado.
   Diante de tantas coisas que tem acontecido na educação em todos os seus âmbitos, eu ainda posso agradecer a Deus pelas minhas companheiras de trabalho que tenho, afinal somos em 4 e a nossa sintonia é visível, temos a mesma proposta de trabalho e acreditamos na criança potente.
   Pensando assim, em prol das crianças e de acordo com a proposta desta prefeitura o projeto deste mês era trabalhar os contos indígenas. O grupo abordou a cultura indígena de forma estereotipada, com cocar, oca, pintura de rosto no dia 19, enfim....
   Desculpe mas acho que os contos indígenas são muito ricos para serem desenvolvido com as crianças, podendo envolve-los com os personagens, levando-os para a sala de aula e colocando-os como protagonistas desta construção, o que foi muita mais rico e compreensível, tenho certeza, pois as crianças tem nos dado essas respostas diariamente, temos o papel de formar seres pensantes e reflexivos, protagonistas de sua história e não seres alienados e corrompidos por uma sociedade egoísta e consumista.
   Por isso, mesmo tendo já passando o dia do índio, acho que a reflexão é sempre bem vinda em qualquer momento, então sugiro a leitura deste texto da nova escola, que aborda um pouco desda cultura com um olhar diferenciado, o olhar que nós educadores, seres reflexivos, pensantes e formadores de opiniões devemos ter.  
   Até porque o índio hoje ele é contemporâneo, vive na mesma sociedade como nós e não de forma isolada, hoje eles estudam, se formam em faculdades, andam na rua e vestem roupas e não andam mais nus.
   Após essa discussão com as professoras que trabalho, resolvemos fazer um trabalho que se complementassem, e hoje tivemos um grande resultado que ainda está para ser finalizado. Através da literatura infantil (gênero lendas) trabalhamos com as crianças o seu imaginário, brincadeiras, construção dos personagens com sucatas, músicas, histórias em áudio e muitas outras coisas que surgiram ao longo dos dias.
   O cenário que procuramos montar para que as crianças se envolvessem com as histórias foi coletiva e claro com a participação de cada um deles.
Está assim.... Ainda será finalizado, pois estamos trabalhado a nossa última lenda.


   Acho que quanto educadores precisamos repensar a nossa prática diariamente, buscar novas leituras, estar sempre atualizados, ter um olha atendo as crianças e as suas escutas.

    A Educação infantil corresponde à educação ministrada desde o nascimento até os 6 anos, aproximadamente. Considerada indispensável, ela oferece os fundamentos do desenvolvimento da criança num aspecto físico, psíquico, cognitivo e social (FREIRE, 2006).

Cem linguagens da criança

“A criança é feita de cem...
A criança tem cem linguagens
(e depois cem cem cem)
mas roubam-lhe noventa e nove.
A escola e a cultura
lhe separam a cabeça do corpo...
Dizem-lhe enfim:
Que o cem não existe.
A criança diz:
Ao contrário o cem existe”

(Loris Malaguzzi)


Talita de Oliveira Zornoff

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Como trabalhar o meio ambiente com as crianças de forma lúdica?

Está aqui a resposta...

Fiz uma adaptação da peça "A MISSÃO DE ALICE", a versão original encontra-se em http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=227&class=06



 Plano de Aula: Teatro de fantoche- A Missão de Alice


Objetivos
·         Aprender a se comportar como um espectador de teatro;
·         Conhecer o papel dos responsáveis para que uma apresentação de teatro aconteça;
·         Observar o que tem relação com a atuação dos atores, como a interpretação e a gestualidade;
·         Perceber que uma apresentação teatral transmite uma história.

Ano:

Tempo estimado: 1 aula.

Material necessário: Cenário, fantoches e roteiro.

Desenvolvimento
Selecionar uma peça a ser apresentada para as crianças, após a escolha preparar um cartaz para anunciar a peça colocando as informações necessárias do espetáculo.
Depois de tudo preparado, propor uma roda de conversa com as crianças para fazer um levantamento das informações que eles têm sobre o teatro, questionando-os do que é necessário para que uma apresentação teatral aconteça.
Durante a discussão apresentar o papel de cada profissional que faz parte deste trabalho e não apena o ator, apresentar todo o caminho percorrido para que se chegue na tão esperada apresentação.

Avaliação 
A avaliação se dará na interação das crianças com os personagens após a apresentação, por meio de diálogos e perguntas.

A Missão de Alice

Argumento: Berenice Gehlen Adams

Roteiro: Berenice Gehlen Adams e Marina Strachman

Argumento: Alice é uma estudante das séries iniciais que tem uma tarefa escolar envolvendo pesquisa sobre o meio ambiente. Enquanto pesquisa, ela adormece e sonha com uma situação em que Ambiente, Ecologia, Preservação, Reciclagem, Lixo, Consumismo, Poluição se reúnem para discutirem situações emergenciais sobre os problemas do Ambiente. Na história, os conceitos ganham vida. Alice assiste a história, adormecida no canto da sala onde estava estudando. Muito é discutido por estes conceitos-personagens, e, ao final, Alice entra na discussão, quando sonho e realidade se mesclam, e a menina, então, recebe a missão de ajudar o Sr. Ambiente e todos os personagens, amparada pelos tri-gêmeos Respeito, Tolerância e Amor.

Roteiro

Personagens

Alice:  Menina que vive sonhando de olhos abertos. Muito interessada e estudiosa. Tem MUITA imaginação!

Ambiente: Um velhinho muito cansado, doente, às vezes tem que gritar tanto para que alguém o escute que acaba por ficar afônico. Parece que não se interessam mais pelo que este senhor tem para contar e ensinar sobre os elementos que favorecem a vida na terra.

Ecologia: É uma senhora bonita cheia de altos e baixos, por vezes, está muito feliz, cheia de vida, risonha e alegre, contando sobre toda a sua história, mas de repente, seu humor muda e fica extremamente depressiva, pronta para “morrer a qualquer instante”. Alguns dizem que ela fala muito sobre as condições que favorecem a vida e suas ligações entre os seres da natureza, mas quando depressiva, fala da morte de todos,  até da morte do planeta!

Preservação: É a melhor amiga da Ecologia e do Ambiente e defende seus ideais com unhas e dentes. Um de seus maiores ideais é defender todos os elementos do ambiente, quando prejudicados.

Reciclagem: Uma jovem artista, cheia de ideias. Vive remexendo no lixo de tudo e de todos, de onde tira a matéria prima para seus trabalhos, grandes obras! Ela reaproveita quase tudo e não entende porque que essas pessoas vivem dizendo que o lixo é nojento!

Consumismo: Tem um império em fábricas, lojas, carros, iates, jato particular, e quer sempre mais, mais, mais...

Poluição: Braço direito do Sr. Consumismo, aonde um está, o outro está também, o que um tem o outro tem também, não tem a mínima personalidade e seu maior divertimento é fazer o trabalho sujo do patrão.

Lixo: Um garoto triste, abandonado, não tem amigos, nem se quer um cachorro, quando consegue uma coisa mais interessante, vem logo alguém e tira dele.

Respeito, Tolerância e Amor: São trigêmeos, sábios, alegres, otimistas e muito pacientes. Procuram sempre compreender a realidade que os cerca.
        
Cena I - (Alice)

         Alice: - Mãe tenho que fazer um trabalho para a escola. Você me ajuda?

Mãe: - Claro minha filha, o que é?

Alice: - É uma pesquisa sobre o Meio Ambiente. Devo procurar informações e notícias sobre desmatamento, poluição... Não sei por onde começar...

Mãe: - Filhinha, no jornal da cidade tem uma coluna semanal sobre o Meio Ambiente, procure lá. Olha Alice, vai procurando o que você precisa, pois agora a Mamãe tem que trabalhar, mas quando eu voltar, eu te ajudo com o que você tiver encontrado, está bem?

Alice: - Ta bom mamãe! (Sai de cena para fazer as pesquisas)
   
Cena II - (Ecologia, o Carteiro, Preservação, Reciclagem)

Ecologia: (O carteiro bate a porta e ela o atende.) - Oba, oba o carteiro, aposto que é uma carta para mim, lálálá. Olá Senhor Carteiro, é uma carta para mim, não é?

O Carteiro: – Não senhorita, é um telegrama! Vejo que está feliz hoje... Que bom te ver assim!

Ecologia: (Abre a carta apressadamente e a lê.) - “Reunião urgente no dia 5 de junho, na casa da Dona Ecologia. Assinado: Senhor Ambiente”. Deve ser uma desgraça Ambiental, como daquela vez que aqueles malucos provocaram aquele enorme vazamento de petróleo, ou será terremoto, podem ser todos ao mesmo tempo também!
(Neste momento chegam a Preservação e a Reciclagem, ambas com um telegrama na mão.).

Preservação: (Muito brava, ela já chega aos gritos) – Estou vendo que você recebeu está convocação também, não é Ecologia! Eu aposto que tem alguém querendo sabotar o meu trabalho, tem sempre alguém querendo sabotar o meu trabalho, é por isso que eu estou sempre uma pilha de nervos... 
(Anda de um lado para o outro, ansiosa.).

Reciclagem: – Que nada! Ele deve estar com ideias para uma festa, ou será um novo projeto de reciclagem, ou reflorestamento.

Cena III - (Alice)
Entra em cena um personagem vestido de pássaro, enquanto Alice dorme no canto de repente, estáticas, como se o tempo parasse. Este personagem relata para a plateia que Alice costuma falar enquanto dorme.

Alice: (Alice se mexe muito) - Não professora, não fiz o seu trabalho. A senhora não percebe que estou dormindo!... “ZZZZZ”... Como que eu posso ler este jornal dormindo!... “ZZZZZ”... Meio Ambiente... As florestas... Estão sumindo... Cortes de madeira... Exploração mineral... Os índios, o que será deles... “ZZZZ”...  várias espécies de animais e de plantas em extinção... Isso é tão triste... temos que fazer alguma coisa... “ZZZZ” (e continua dormindo).

Cena IV
(Ecologia, Ambiente, Preservação, Reciclagem, Lixo, Consumismo, Poluição)

          Ecologia: (Falando sozinha) - Aí meu Deus, estou tão nervosa... . Pensando bem... Porque eu estou nervosa, não há motivo para isso, claro que não há! Aposto que o Senhor Ambiente deve estar preparando uma daquelas belas surpresas, só pode ser, (e começa a cantarolar e dançar). Está quase na hora. Daqui a pouco todos estarão aqui 

Ecologia: (Batem à porta e Ecologia vai atender.) - Olá, Sr. Ambiente! Entre! Estava esperando pelo senhor. Como vai? Estou preocupada com esta convocação!

Ambiente: (Chega ofegante e senta-se)- Puf, puf, puf... Dona Ecologia... eu estou tão cansado... A senhora pode providenciar para mim um copo d’ água? (tosse, tosse muito!).

Então Ecologia saí de cena apressada e lá de trás diz:  já estou levando! Ela volta à cena com um copo cheio de um líquido “amarelado” e entrega este copo ao Ambiente.

Ambiente: (Olhando para aquele copo com líquido “amarelado” e ainda cansado, mas INDIGNADO) - Mas, puf... puf..Ecologia o que é isto que a Sra. está me dando para beber?!?!?! Esta é a água que teremos que beber daqui pra frente e cai em prantos...

Ecologia: (Agora muito nervosa) - O Sr. me pediu! Eu trouxe... é, é...(tentando falar e não conseguindo e chora...)

Ambiente: (Dramaticamente- Vocês estão querendo me matar!!!! Matem-me de uma vez...puff...puff, TOSSE, TOSSE... Eu realmente não sei por que eu marquei esta reunião... Eu vou morrer mesmo, VOCÊS QUEREM ME MATAR!!!!!

(E com este berro, entram correndo e assustados) Preservação, Reciclagem e Lixo.

Preservação, Reciclagem e Lixo: (Perguntam ao mesmo tempo) - O que está acontecendo???? Quem vai matar quem????

Ambiente: - Vocês todos querem me matar... Vocês só querem saber de dinheiro... O velho e bom Ambiente, não serve mais para NADA!!!! Antes eu só ouvia: Olha só que Ambiente bonito, olha querido que vista linda olha amor que brisa gostosa, ouça só o balançar das árvores, sinta o cheiro da terra, do mato... Agora NÃO!!! O que eu ouço agora é: Não quero saber de árvore perto de mim, árvore só faz sujeira! Queima tudo, bota esta mata a baixo, vende esta madeira velha, os animais, a gente vende no mercado negro!...puff, puff, puff, TOSSE, TOSSE...

Reciclagem: - Alguém pode me dizer o que é que está acontecendo? Porque tanta gritaria, o que há de novo?

Ecologia: (Chorosa) - Ele chegou muito cansado e ofegante, sniff, me pediu um copo d’água, eu trouxe um pouco de suco de maracujá, que acabei de fazer... Sniff, e ele nem me deu tempo de dizer que era suco de maracujá, sniff, e começou a gritar. Eu que colhi este maracujá hoje pela manhã... (e chora).

Preservação e Lixo acalmam o Ambiente  e a Reciclagem acalma Ecologia, todos tentando acalmar a todos e falando ao mesmo tempo, até que:


Reciclagem: (Falando alto, muito séria) CHEGA! Mas que absurdo! Tudo isso por causa de um suco... Senhor Ambiente, que vergonha! Tanta gente trabalhando para ajudar o senhor... Sabemos que temos muitos problemas, mas em vez de olhar sempre para o lado ruim das coisas, CUSTA o senhor ser um pouco mais otimista? Com esse pessimismo, não vai adiantar o esforço que estamos tendo! O senhor vai morrer antes do tempo... É até capaz de ser enterrado vivo!!!!!

Entra em cena o personagem vestido de pássaro, brincando com a plateia. Enquanto isso todos entram em cena, se acomodam e se acalmam.

Reciclagem: - Muito bem agora que todos estão mais calmos... Vamos ver o que podemos fazer... Da minha parte, posso dizer que está tudo muito bem, eu e o Lixo temos presenciados verdadeiros milagres! A reciclagem está em franco crescimento, é claro que temos problemas... o Consumismo anda exagerando e abusando da Poluição. Tenho tido muito trabalho em reciclar o lixo, primeiro porque poucas pessoas o separam e segundo porque a quantidade de lixo está cada vez maior e não dou conta de reciclar tudo. Mas NUNCA se reciclou tanto e as escolas e indústrias estão se conscientizando! Isso é motivo para comemorarmos, não para chorarmos!

Ambiente:  (Muito cansado) -  Mas acontece que convoquei o Consumismo e a Poluição para virem também, marquei com eles daqui à meia hora para que eu pudesse falar primeiro com vocês. Dentre todos os problemas que estão acontecendo, o pior deles é o Consumismo que tem gerado muita Poluição. Teremos que encontrar uma maneira de contê-los, antes que seja tarde! Eu não quero saber de boa vontade, quero saber de solução.

Lixo: (muito triste!) - Eu, quando sou lixo tóxico, não posso ser reaproveitado. Andei de lá para cá, até que encontrei a Reciclagem que vem cuidando de mim para que eu não fique contaminando outros espaços e possa ser mais bem tratado, ter amigos.... Mas aqui, ouvindo o Ambiente, sniff, ele está com a razão... Não tem jeito mesmo... Não tem jeito...

Preservação: - Amigos, o que há com vocês... Sim temos problemas, temos o Consumismo, a Poluição, mas lutar contra estas coisas a gente consegue, mas não seremos capazes de fazer nada de útil se não lutarmos contra o MAIOR dos MAUS, o pessimismo! Acordem, muito está sendo feito... A vida é curta, temos que reagir!

Ambiente: - Vocês tem razão, é que hoje não estou bem... Desculpem-me... O que deve ser feito me parece que muitos já sabem... Reduzir o Consumo, Reciclar, economizar água, reflorestar... E temos que fingir não ouvir, quando nos chamarem de “eco-chatos”!

Ecologia: - Bem , pelo que o Sr. disse, o Consumismo e a Poluição daqui a pouco estarão aqui, não é?

Ambiente: -  Sim eles devem estar chegando.

Preservação: - Muitas leis ambientais estão sendo votadas e são muito boas, acho que serão capazes de frear o Consumismo. Temos algum tempo para trabalhar ainda, talvez até mais do que possamos imaginar... Podem contar comigo!!!

Reciclagem: - Mas é claro... Podemos começar por conscientizar as pessoas a consumirem menos, a separarem seus lixos, a usarem produtos ecológicos, isto já ajudaria muito, se cada um fizer a sua parte.

Lixo: - E sobre os lixos perigosos, deveria haver um lugar onde pudessem ficar sem prejudicar o Sr. Ambiente.

(Neste momento todos estão começando a ficar mais animados, escutam bater na porta)

Ecologia: (Levanta-se, e vai atender a porta.) - Chegaram, a Poluição e o Consumismo. Vou atender! (Abre a porta.) - Olá, Consumismo, olá Poluição! Entrem!

Consumismo: (Entra com pressa, cumprimenta com um olá geral.) – Olá, boa tarde! Estou com pressa e não tenho muito tempo a perder. Dona Poluição veio comigo. Do que se trata a reunião? Não se esqueçam, tempo é dinheiro! Não tenho tempo a perder.

Poluição: - Olá para todos, Vocês viram que dia maravilhoso, leram o jornal, eu estou presente em todas as grandes cidades, em muitos rios e em cada lixão! (E ri muito, e muito alto).

Consumismo: - Mas o que é isso? Ponha-se no seu lugar! Você não seria NADA sem mim! Vai se achando... EU ACABO COM VOCÊ!

Ambiente: - O motivo desta convocação é o meu estado de saúde. Meus rios estão sendo mortos, minhas matas estão sendo destruídas, o ar está poluído e todos os seres estão sofrendo com esta forma de vida consumista que os humanos levam. Não vou morrer sem lutar e vocês dois vão me ajudar, por bem, ou por mal!

Consumismo: - Ora, ora Sr. Ambiente, as pessoas precisam de alimentos, sapatos, roupas, e MUITAS outras coisas. E elas querem sempre MAIS (ri alto). Eu simplesmente as fabrico, e elas compram RÁ, RÁ,RÁ (dá uma gargalhada grossa e alta). Elas nem percebem que elas mesmas estão se afundando... RÁ, RÁ, RÁ...O Sr. acha que elas viveriam sem supermercados, lojas, carros, joias, vídeo games, computadores, indústrias? Eu só faço o que elas precisam, e vendo, e ganho, ganho dinheiro, MUITO dinheiro. As pessoas precisam de alimentos, então, eu os produzo, mas já disse que não tenho culpa se elas comem demais, se elas desperdiçam, aliás, o Desperdício também deveria ser convocado para a reunião.

Ecologia: (Interrompe o Consumismo.)  - O que você parece não entender, é que se as coisas continuarem como estão... Os consumidores vão MORRER por causa de sua teimosia! (Lamenta)

Lixo: - Você vai ter que investir e melhorar os níveis de poluição que você emite por todo o planeta!

Poluição: - É chefinho... Parece que a coisa está feia para o seu lado... Até eu tenho sentido isso que eles estão falando... Eu estou mesmo trabalhando demais, nem à noite tenho mais sossego, as pessoas agora trabalham em turnos! Estou em toda parte: nas ruas, nas escolas, nas fábricas, na terra, no ar, na água. É chefinho... Acho que o Sr. está pegando pesado...

Consumismo: -  Mas é muita cara de pau! Logo você, que me implorou emprego, que precisava de trabalho! Está contra mim! (aos gritos) Eu não...
(mas é interrompido pela Poluição).

Poluição: - Pedir trabalho é uma coisa... Mas o Sr. quer acabar com o mundo, para o Sr. não existe limites...quer sempre mais, mais... (faz caras e gestos de um louco ganancioso).

Ambiente: - Agora a Poluição está começando a entender a gravidade do problema. Sr. Consumismo, entendo que deve ter seus motivos para agir e viver assim. Mas, não percebe que está estragando a vida na Terra? As pessoas estão vivendo apenas para trabalhar e comprar, comprar, comprar... A vida é mais que isto...

Consumismo: - Vocês estão fazendo uma tempestade num copo d’água... Produzir e vender é a minha vida... Não posso nem pensar em parar... DINHEIRO, DINHEIRO, Eu preciso de MUITO dinheiro!!!! Vocês aí que se virem... (e continua falando sozinho).

Reciclagem: - Tem lixo demais e eu não dou conta de reciclar tudo como o Sr. pensa. Além do mais, às vezes, para reciclar um material é preciso poluir mais, então, certos lixos não compensam ser reciclados.
        
Lixo: - O mundo vai se afogar em seu próprio lixo... Inclusive envenenado por meus primos tóxicos... A Reciclagem até que tentou, mas não descobriu um jeito de reutilizar os meus primos tóxicos... Eles são pesados e causam muitas doenças.

Ecologia: (Olha com pena para o Sr. Consumismo e grita para ele.) - O senhor não percebe que não sobrará nada pra o senhor fabricar e ninguém para consumir? Animais estão morrendo, plantas estão morrendo, pessoas também!
         (O Consumismo olha com ar pensativo).

Preservação: (Dirigindo-se para o Consumismo) -  Nós não queremos que o Sr. pare de produzir, mas, é preciso tomar algumas providências como colocar filtros nas chaminés, produzir produtos mais saudáveis e menos poluentes, além de produzir menos lixo. Assim, todos nós sairemos ganhando.

Consumismo: - Mas terei que gastar milhões e milhões para fazer o que está pedindo e vou perder muito dinheiro!

Poluição: - Eu concordo com a Preservação, sou a favor de filtros, pois assim não estarei prejudicando ninguém.

Ecologia: – O melhor é discutirmos o que é possível fazer.

(Alice desperta e todos ficam olhando para ela.)...

Cena V - (Alice, Ecologia, Ambiente, Preservação, Reciclagem, Lixo, Consumismo, Poluição)

Alice: (Desperta) - Nossa, acabei pegando no sono novamente. Que sonho estranho eu tive, parecia tão real! (Espantada, levanta e fica observando).

Ecologia: (Continua a conversa como se Alice nem estivesse ali.) - A minha sugestão é: fazer um estudo sobre os produtos que o Senhor Consumismo fabrica e comercializar ver o que é supérfluo, ou inútil. Tirar de linha, adaptar suas fábricas e empresas diminuindo o trabalho da Poluição e gerando menos lixo. Buscar alternativas que não prejudiquem o Sr. Ambiente. Se ele morre, morre a vida na Terra.

Preservação: - Concordo plenamente com a Ecologia. Tudo o que o Sr. Consumismo quiser produzir daqui para frente terá que ser analisado e estudado. Nada poderá provocar mais danos para o Sr. Ambiente.

Poluição: - Para mim será bem melhor se eu puder trabalhar menos, pois estou muito cansada, eu quero mais é sombra e água fresca, estou de saco cheio de trabalhar para este louco... grita baixinho SOCORROOOOOOO...

Consumismo: - Ah, mas isso não fica assim eu vou me vingar me vingarei de vocês!

Ambiente: (Com a voz mais calma do universo) - O problema, Sr. Consumismo, é que o Sr. não tem outra alternativa, porque se as coisas não mudarem vou ter um colapso, explodirei e a vida na Terra se acabará (Alice arregala os olhos e faz cara de espanto). O senhor é quem sabe.

Preservação: - Podemos ajudá-lo, Sr. Consumismo. Vamos trabalhar em conjunto, para os humanos mudarem sua forma de vida... O Sr. vai ver, eles entenderão,  só precisamos de um ‘mensageiro’ (Todos olham para a menina Alice).

Ambiente: (Aproxima-se de Alice) - Você, menina, é quem vai nos ajudar!

Alice: - E-e-e-eu?

Ambiente: - É, menina, você aí cheia de vida, com muito ainda pela frente. Você é a nossa escolhida... E é por isto que você entrou no seu próprio sonho e nós entramos na sua vida.

Alice: -Mas como... Eu sou uma criança... Vocês precisam de tanta coisa!

Ecologia: - Não se preocupe, se você nos ajudar, nós ajudamos você! É só você contar para todos o seu sonho... Como realmente aconteceu... Eu, a Preservação, a Reciclagem, estaremos sempre a te ajudar... (Todos saem com exceção da menina Alice).

Cena VI - (Alice)

Alice: -Nossa, e agora? Será que vou conseguir ajudar? Como vou ajudar o Sr. Ambiente, se  sou ainda uma criança?

Respeito, Tolerância e Amor: (Entram, rindo. Falam todos juntos) - Alice, viemos para ajudar. Somos o Respeito, a Tolerância e o Amor, somos irmãos gêmeos, tudo o que um sente, o outro sente também!

Respeito: - Eu sou o Respeito. Através do respeito muita coisa pode ser feita... O respeito gera amor, amizade, fraternidade, cooperação.

Tolerância: - Eu sou a Tolerância. Comigo tudo é mais fácil.... A tolerância gera a paz, a compreensão e a união.

Amor: - Eu sou o Amor. O Amor é a chave para um mundo melhor, sem conflitos, sem guerras. “O amor gera a PAZ e a harmonia”.

Então, todos dão as mãos e cantam juntos...


Música: Xote Ecológico
Luiz Gonzaga

Não posso respirar, não posso mais nadar
A terra está morrendo, não dá mais pra plantar
E se plantar não nasce, se nascer não dá
Até pinga da boa é difícil de encontrar
Não posso respirar, não posso mais nadar
A terra está morrendo, não dá mais pra plantar
E se plantar não nasce, se nascer não dá
Até pinga da boa é difícil de encontrar

Cadê a flor que estava aqui?
Poluição comeu
E o peixe que é do mar?
Poluição comeu
E o verde onde é que está?
Poluição comeu
Nem o Chico Mendes sobreviveu
As modificações foram feitas para que fosse possível apresentar um tetro com fantoches.
E ficou assim...